jump to navigation

Mossoró – Município prepara-se para coibir abusos 08/08/2011

Posted by Afauna Natal in Meio Ambiente Urbano.
trackback

Extraído do Grito Verde.

Por Paulo Sérgio Freire.

A situação é bastante comum na cidade. O vizinho tem uma árvore centenária e em vez podar, ele corta-a na raiz apenas porque a mesma encontra-se em terreno de sua propriedade. Em outra situação, o empresário possui um terreno, com escritura pública, próximo à margem do rio, como está legalizado, ele constrói nas margens sem muita preocupação. Apesar de “aparentemente” estarem certos, pois o terreno ou propriedade pertencem a eles, a decisão de cortar uma árvore ou construir numa margem de rio, não depende apenas de escritura que comprove a propriedade. Resoluções visando ao bem-estar do meio ambiente podem impedir tais ações.

Em Mossoró, a Gerência Executiva de Gestão Ambiental prepara-se para adentrar numa atividade pouco comum na cidade, a de fiscalizar, notificar e multar as infrações cometidas contra a legislação ambiental. “Na cidade atualmente vivemos uma confusão do que seria direito individual e o que seria liberdade”, explica Mairton França – gerente titular do Meio Ambiente –
acrescentando que “todos têm liberdade de fazer o que quiserem em suas propriedades, desde que a lei permita independente de qualquer documento”, argumenta.

Com três fiscais que na semana passada fizeram amplo treinamento, após terem sido aprovados em concurso público do município ocorrido neste ano, a Gerência deverá atuar com mais rigor, trabalhando em conjunto com a também recentemente criada Polícia Militar Ambiental de Mossoró, através do 2º Batalhão de Polícia Militar. “Seguramente nosso trabalho deverá ser mais incisivo no que concerne a ações básicas que iremos implantar, como o disque denúncia e a fiscalização de resoluções, normas e leis que visam à sustentabilidade do meio ambiente”, diz França.

No treinamento ocorrido na semana passada e encerrado na sexta, 5, os ficais de meio ambiente, juntamente com os outros 7 ficais de urbanismo, também recém-ingressos, puderam absorver conhecimentos em diversas áreas como: Política e Legislação Ambiental, Poluição Sonora, Licenciamento Ambiental, Urbanismo, Desenho Técnico, Fiscalização, Postura Ética e Política de Recursos Humanos do Município.

Danielson Santos – chefe do Setor de Fiscalização do Município – explica que no caso dos ficais do Meio Ambiente, a legislação básica será baseada no Código do Meio Ambiente – lei nº 26 de 2008, onde foram instituídas regras diversas envolvendo poluição sonora e ambiental, além de regularização de licenças vencidas e novas. “Vamos atuar na água que polui o rio, na poda de árvore indiscriminada e na fiscalização programada”, explica, afirmando ainda que “infelizmente os casos de abuso ao meio ambiente ocorrem mesmo com o
conhecimento da lei por parte dos cidadãos”, diz.

Buffets, padarias, postos de lavagem e serrarias estão na mira

Uma das prioridades da recém-criada fiscalização ambiental, segundo Mairton França, é o cumprimento da legislação ambiental no que diz respeito a “certos tipos de estabelecimentos comerciais e industriais”, muito comuns na zona urbana de Mossoró. A regulamentação, inclusive, já teve com o ajuste exigido pela Gerência de Gestão Ambiental, mediante reunião coordenada pelo Ministério Público e Polícia Militar Ambiental.

“Vamos organizar uma série de audiências técnicas e fiscalizar todo processo de regulamentação de buffets, serrarias, padarias e postos de lavagem”, diz Mairton, explicando ainda que esses estabelecimentos lideram a lista de infrações contra o Meio Ambiente
na cidade, seja no campo da poluição sonora, seja no campo da poluição ambiental.

A primeira audiência, inclusive, já tem previsão de acontecer e deverá reunir proprietários de padarias na última semana de agosto. Atualmente, muitas delas com forno à lenha estão instaladas na zona urbana e que sem respeitar limites de vizinhança, poluem a região com fumaça. Anteriormente, os buffets já tinham sido alvo de discussão por estarem na zona urbana e excederem
com frequência o limite de decibéis permitidos. “Todos eles (os buffets) em zona urbana devem ter isolamento acústico e o som no exterior não ultrapassar 65 decibéis”, argumenta o gerente.

Segundo Mairton, a regularização desses estabelecimentos deve acontecer com prazos estabelecidos pela Gerência, que expedirá autorização especial mediante comprometimento de adequação às normas em até seis meses. Diante de tantos desafios, a conclusão é de que os recém-empossados ficais da Gestão Ambiental terão bastante trabalho pela frente.

Fonte: Jornal de Fato, Mossoró, 07/08/2011

Comentários»

1. Francisca Kelia Duarte Dias - 14/08/2011

Que bom que agora, com a aprovação desses novos fiscais, a lei vai começar a ser levada a sério.Sinceramente, faz 8 meses que moro aqui, na rua Juvenal Lamartine e não aguento mais a quantidade de fumaça que é jogada pra nosso condomínio por dois cidadãos: um tem uma “padaria” cladestina no fundo do quintal (Rua Epitácio Pessoa n 359 Santo Antonio) e já fomos lá, ele prometeu aumentar a chaminé e nunca o fez.O outro é seu Osmir, que mora na Rua Crockatt de Sá, nº 399 A Santo Antônio e queima lixo todos os dias, ou seja, agente NAO TEM PAZ, e muito menos o meio ambiente.Já chamei a polícia ambiental e tudo mas…nunca mudou.Espero agora que alguem se responsabilize pelo bem estar de DA POPULAÇÃO pois isso é muito chato.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: