jump to navigation

A criminosa omissão da Chevron é maior ainda 20/11/2011

Posted by Afauna Natal in Fiscalização Ambiental, Notícias.
trackback

Fonte: Tijolaço.

 Hoje, finalmente, a Folha se deu conta de que a Chevron omitiu informações essenciais dobre a causa do vazamento no campo de Frade.

Mas não é verdade que tenham sido cinco dias de criminoso silêncio.

Foram, pelo menos, dez.

Às datas:

Dia sete houve o “kick” – uma súbita elevação de pressão, com a subida de líquidos ou gás pela coluna de perfuração.

O equipamento de segurança – blowout preventer – segurou essa pressão, porque está especificado para suportar até 10 mil psi, uma medida de pressão que representa  700 quilogramas-força por centímetro quadrado.

Os operadores da Chevron-Texaco sabiam que a pressão que “subiu” por dentro do tubo foi igual à que subiu por fora dele, entre a parede externa do tudo e a parede rochosa do furo.

Como eles certamente fizeram o 2° grau, sabem aquela regrinha de que “os líquidos transmitem integralmente as pressões por eles recebidas” e, portanto, a coluna exterior ao poço, composta de água e lama,  foi fortemente pressurizada e transmitiu ao solo esta pressão, até a base da primeira e única cimentação que recebera, a 567 metros de profundidade no solo.

Quando, dois dias depois, os técnicos da Petrobras localizaram os sinais de óleo sobre o mar e avisaram à empresa, era impossível não relacionar isso ao evento no poço.

A Chevron-Texaco sabia que o óleo vinha da coluna externa do poço e que esta só estava bloqueada pela cimentação a 567 metros do leito marinho e ficou muda.

Por que?

O poço estava a 2300 metros no solo marinho. Logo, havia um “túnel” de quase 1800 metros que foi submetido a pressão quando do “kick”.

Foi aí que se abriram as fissuras para que o óleo subisse à água, drenando pelo solo de sedimentos finos.

A cimentação aos 500 metros estava prevista do EIA apresentado pela Chevron.

A esta altura, segundo os planos seria  feita  a “perfuração da sapata do revestimento 13 3/8”, seguida da substituição do fluido (ou lama) de perfuração”. E, em seguida, a a execução do teste de absorção. Diz o documento, com meus grifos: “Este teste é efetuado logo após a perfuração da sapata para medir a resistência da formação abaixo da mesma, fornecendo o maior peso especifico de lama que pode ser utilizado durante a perfuração da seção, sem causar a ruptura da formação e a conseqüente perda de fluido para a mesma – perda de circulação.

Traduzindo: um vazamento pela rocha em torno da cavidade anular, o espaço entre o tubo metálico e a parede rochosa.

Quantas mudanças de diâmetro de perfuração e de revestimento tubular foram feitos? Deveriam ter recebido selamento por cimentação, impedindo a subida do petróleo ou do gás?

Se não receberam, qual foi a razão? Economia de custos operacionais?

no dia 13, mesmo sabendo desde o dia 9 que o vazamento se devia à perfuração e à elevação de pressão foi tomada a decisão de fechar o poço. Ou seja, de tampar o buraco de onde o óleo subia para a rocha e, daí, para o mar.

No dia 18, a petroleira chega ao cúmulo de soltar nota oficial dizendo: “A Chevron reitera que não houve qualquer vazamento da cabeça do poço.” Claro, sabiam que o vazamento era do poço, não na cabeça – contato com o solo marinho – mas algumas centenas de metros abaixo. É a meia-verdade dos hipócritas.

Nada é gratuito, tudo tem dinheiro – e muito – envolvido. Inclusive no silêncio de vários dias da Chevron.

Anúncios

Comentários»

No comments yet — be the first.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: