jump to navigation

Chevron-Texaco: não é sincera confissão. É esperteza 20/11/2011

Posted by Afauna Natal in Fiscalização Ambiental, Notícias.
trackback

Fonte: Tijolaço.com.

 Finalmente hoje, os sites dos grandes jornaispublicam o que já tinha acontecido anteontem à noite e não quiseram publicar com todas as letras.

A Reuters publicou: Chevron assume responsabilidade total por vazamento no Brasil.

O presidente da empresa no Brasil, o americano Charles Buck (foto), afirmou que “a companhia subestimou a pressão do reservatório de petróleo  que atingiu com o novo poço exploratório em Frade e superestimou a  solidez da formação rochosa no fundo do mar”.

Tradução: não fez a cimentação necessária entre o lado externo do tubo e o furo na rocha, que representa tempo e dinheiro.

Achou que a rocha “aguentava a pressão” que poderia vir de baixo  sem ser apoiada e vedada por cimento – tempo e dinheiro – exatamente como fez a BP no poço onde houve acidente do Golfo.

Aliás, pior, porque a BP mandou embora para casa a equipe da empresa Schlumberger, que ia fazer a verificação da pegado da vedação do cimento (CBL – Cement Bond Log ). Não foi a causa do acidente, mas foi um grave risco descoberto nas investigações. A Chevron nem o cimento pôs.

O senhor Buck encontra petróleo, não Jesus. Não teve uma crise de consciência, nem uma epifania.

Está seguindo os ensinamentos de Neném Prancha: “arrecua  os arfe pra evitar a catastre”.

Sabe que a empresa errou criminosamente e criminosamente mentiu durante dez dias para o país que a recebeu.

Sabe que, se a opinião pública entender o que fizeram, põe essa petroleira para correr daqui.

Não pelo acidente, que merece punição severa. Mas pelo seu encobrimento, que a torna inconfiável para operar em nossas águas.

Agora, a Chevron é “sincera e transparente”. Assume seus erros.

Pretende uma espécie de “confissão premiada”.

Se arrependimento matasse, a Chevron-Texaco estaria vivinha da silva, porque não tem nenhum arrependimento. Sabia da verdade todo o tempo e a escondeu.

Como fez o Nem da Rocinha, tentou escapar na surdina, no porta-malas do silêncio.

Foi pega em flagrante, porque não contava que o silêncio da imprensa é como a rocha que está sob o petróleo: quando a gente fura com persistência, a verdade explode e vaza.

A Chevron vai descobrir que o Brasil não é uma república bananeira.

Anúncios

Comentários»

No comments yet — be the first.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: