jump to navigation

Natal/RN – Patrimônio histórico sem projeto de recuperação 23/02/2012

Posted by Afauna Natal in Meio Ambiente Urbano.
trackback

Fonte: Tribuna do Norte.

A caixa d’água das Rocas, localizada atrás do prédio da antiga estação ferroviária, é exemplo de descaso com o patrimônio histórico da cidade. Desativada desde 1980, a caixa d’água erguida há mais de um século, permanece com vários problemas na estrutura e sem previsão de projetos para restauração e conservação, apesar do tombamento. Enquanto o poder público não intervém, o espaço é usado por moradores como depósito para resto de materiais de construção. À noite, usuários de droga também aproveitam o local.  No entorno, lixo doméstico, entulho de construção e o mato crescido se acumulam, contrastando com a beleza da edificação.

Aldair DantasÁrea nunca recebeu projeto de preservação e está abandonadaÁrea nunca recebeu projeto de preservação e está abandonada

A edificação ostenta pedras originais quebradas, pintura gasta e a estrutura em ferro do reservatório de água – que funciona como uma cúpula – está corroída pela ferrugem. Na parte interna, telhas, esquadrias, tijolos, ripas, carro de mão e até um depósito de isopor se valem do espaço abandonado.

A estrutura foi tombada em agosto de 2007,  pelo Patrimônio Histórico Estadual, devido à sua importância histórica  – a caixa d’água abastecia a antiga estação e a vila dos ferroviários – e pela  construção, com características art nouveau, em alvenaria com partes de ferro. Quase cinco anos depois, nenhuma melhoria foi feita.
À época do tombamento, a TRIBUNA DO NORTE já trazia matéria mostrando não existir projeto para a restauração e  que a inclusão da caixa d’água no livro de tombos históricos do Estado era a forma de garantir que o monumento não fosse demolido ou modificado.

Há cerca de um mês e meio, um embate com uma construtora, que adquiriu parte do terreno da antiga estação e começou a erguer um muro precisou da intervenção do Patrimônio da União para que a área fosse preservada. A Construtora pretendia murar inclusive o terreno da edificação tombada e chegou a derrubar árvores. “Ainda estamos vendo com a União a questão da posse, o terrenos era da  REFESA”, disse José Domingos Sobrinho, que mora na vila dos ferroviários há 20 anos.

Os moradores esperavam à época o tombamento que melhorias fossem feitas para aumentar o fluxo de turistas que procuram o local. “Isso poderia inclusive valorizar a área, os imóveis”, acrescenta José Domingo. No entanto, lamenta o ferroviário  Devaldo Freitas de Souza, 45 anos, o espaço é ponto de vagabundos durante a noite que se reúnem para fumar maconha”. Morador da vila, desde que nasceu, Devaldo Freitas lembra que tomava banho na bica da caixa d’água. “Esperávamos a construção de uma praça. Se falou em projeto, mas nunca nada foi feito”.

A dona de casa Francisca Teixeira, 73 anos, conta que a família tem as chaves do cadeado. “Mantemos o local dentro limpo e aproveitamos para guardar alguns pertences dos moradores, como material de construção”, admite a moradora, que desconhece se tratar de um patrimônio histórico.

A TRIBUNA DO NORTE tentou, sem sucesso, contato com a Fundação José Augusto, responsável por promover a conservação do prédio. Devido o feriado de carnaval, o expediente retornará apenas nesta quinta-feira, segundo informou o vigia do local.

Anúncios

Comentários»

No comments yet — be the first.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: