jump to navigation

RN – Ibama protege ninhos de arribaçã 28/05/2011

Posted by Fiscal Municipal in Ibama, Meio Ambiente Urbano.
trackback

Fonte: Tribuna do Norte.

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) reforçou a fiscalização nos municípios de Jandaíra, Lajes e Caiçara do Norte para garantir a postura das aves de arribaçã. De março até hoje foram apreendidas cerca de 300 arribaçãs mortas. O prejuízo para os caçadores apanhados foi grande: além de perderem três motos, duas bicicletas e até arreios de cavalos, receberam multas que somadas ultrapassam R$ 137 mil. Quatro deles foram detidos em flagrante e responderão a processo por crime ambiental, cujas penas podem chegar a uma ano e meio de detenção.

Airton de Grande/ascom/ibamaAcompanhado de um guia, fiscais do Ibama entram na mata em busca de caçadores que abatem arribaçãs em período de reproduçãoAcompanhado de um guia, fiscais do Ibama entram na mata em busca de caçadores que abatem arribaçãs em período de reprodução

As atividades de proteção às arribaçãs vão perdurar por pelo menos mais 30 dias, enquanto houver a formação de pombeiros. O Ibama recomenda a todos os cidadãos potiguares para que não consumam arribaçãs ou qualquer tipo de caça. A aquisição desses animais abatidos é ilegal e sujeita os infratores a multas e penas de detenção até um ano.

O trabalho consiste em percorrer estradas, penetrar na mata fechada, montar campanas, sempre com o objetivo de impedir a entrada de caçadores, que se aproveitam da escuridão para matar, indiscriminadamente, filhotes e adultos dessas aves. A ação tem trazido bons resultados, pois as capturas diminuíram sensivelmente nessas áreas tradicionalmente visitadas pelas arribaçãs. “Quase não tivemos caçadores neste ano”, comemora o chefe do Escritório Regional do Ibama em Mossoró, Linduarte Lopes, que é também o coordenador das ações. Em anos anteriores, as apreensões de arribaçãs mortas pelos fiscais atingiam números impressionantes, que superavam milhares de unidades.

A proteção das áreas de postura, também conhecidas como “pombeiros”, está assegurando a ampliação da população de arribaçãs no RN. Um indicativo disso pode ser o surgimento de novos pombeiros, como o de Caiçara do Norte, que ocupa uma área de 800 hectares. Segundo relatos de moradores, as arribaçãs não nidificavam no local há quase um século, desde 1917. Outros relatos dão conta de que as aves, por sofrerem menor estresse, estariam realizando diversas posturas num mesmo ano. Assim, bandos de arribaçãs que começaram a por em março, em Jandaíra, poderiam estar nidificando novamente em Caiçara do Norte, onde ainda há ovos eclodindo.

Embora não esteja ameaçada de extinção, essa pequena ave sofre intensa pressão de caça, o que pode prejudicar seus estoques naturais. Segundo Linduarte Lopes, os caçadores invadem os pombeiros à noite, munidos de uma espécie de lamparina e um porrete. Com a luz, as aves ficam atordoadas e são abatidas a pauladas, sejam filhotes ou adultos – não há seletividade. É corrente entre os fiscais a história de um caçador que apanhava os filhotes com a mão e, para não perder tempo, os matava arrancando a cabeça com seus próprios dentes.

De caçador a defensor de arribaçãs

“Olha ‘praqui, seu Linduarte, olha ‘praqui!” É o mateiro Enoque Oliveira Freitas que, numa agitação controlada, chama o chefe dos fiscais. No meio da vegetação, ele aponta para uma infinidade de arribaçãs jovens, com quase um mês de vida, todas empoleiradas nos arbustos. “Mais cinco ou seis dias e eles já vão acompanhar o bando”, explica. Logo mais adiante, mostra os ninhos com ovos e filhotinhos ainda sem plumas. Com todo o cuidado, afasta ramos e galhos para ver melhor sem ferir as avezinhas.

Enoque quase não ri, mas percebe-se que está muito alegre com o seu trabalho. Voluntário do Ibama há cerca de seis anos, revela que é a primeira vez que vê resultado positivo como esse. Ele sabe que é peça fundamental das ações. Exímio conhecedor da região e das artes da caça – “fui caçador, também, pegava até 500 delas por noite, até que o Ibama me pegou e multou” – Enoque orienta os fiscais no campo e ainda convence os moradores de seu assentamento a não pegar arribaçãs.

Segundo ele, ninguém mais precisa das arribaçãs para matar a fome. “Fazem isso por dinheiro, porque tem gente que compra arribaçã pra servir de tira-gosto”, esclarece. E quem compra? Na sua simplicidade confirma o triste retrato de que as agressões ao meio ambiente são financiadas, boa parte das vezes, pelos que poderiam dar o exemplo: “Seu doutor, com arribaçã a gente arruma muita amizade, até com gente de anel no dedo”.

A temporada de Enoque junto ao Ibama se encerra quando os filhotes acompanharem os adultos e os pombeiros se desfizerem. O ciclo é regulado pelas chuvas, como ele sabe muito bem: “chove pra ela chegar, chove pra ela por [os ovos], chove pra ela tirar [nascer], chove pra ela voar”. Mas na sua comunidade, em Jandaíra, Enoque ainda terá muito trabalho. Ele é um dos fundadores da “Associação de Educadores Ambientais dos Assentamentos Guarapes e Boa Vista” e pretende ensinar tudo o que sabe em defesa do meio ambiente. Sorte dos moradores dos assentamentos. E de todos os riograndenses do norte. Enoque não tem anel no dedo, mas pensando bem, isso até poderia atrapalhar.

Comentários»

No comments yet — be the first.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: